Um dos desafios que as empresas enfrentam é compreender como gerir os seus recursos de inovação. Esse desafio faz com que eles se perguntem se devem adotar ideias mais disruptivas e arriscadas ou, em vez disso, focar mais na inovação progressiva, melhorando seus produtos atuais.

Hoje, muitas organizações adotaram o modelo 70:20:10 para impulsionar a inovação. É um modelo que se baseia na proporção do conhecimento obtido a partir de três fontes: experiências relacionadas ao trabalho, interações com outros trabalhadores e eventos de educação formal.

 

Este modelo é frequentemente parte dos programas de desenvolvimento organizacional, ao mesmo tempo em que permite que os executivos estejam na vanguarda ao planejar atividades de treinamento ou treinamento. Vai contra a típica abordagem de “aprendizagem” ao desenvolvimento, que tem estado fora de moda em muitas áreas nos últimos anos.

Os benefícios estão lá, só tens de os identificar.

A idéia inicial é simples, a empresa em questão deve se concentrar em suas principais responsabilidades para fazer o trabalho do negócio, no entanto, não pode dedicar todos os seus esforços para ele, porque se ele faz, nunca vai evoluir ou inovar.

  • 70% Inovação Central:

Focar na inovação significa melhorar os produtos e serviços atuais que se alinham bem com a estratégia da organização. Significa também afectar 70% dos recursos a actividades essenciais comprovadas e de baixo risco que já deram provas de funcionar no passado.

Como a inovação focada na atividade principal geralmente abrange processos e clientes existentes, os custos de aumento de produção e adoção tendem a ser menores.

Por esta razão, as empresas de tecnologia mais inovadoras, como a Google e a Apple, concentram a maior parte dos seus recursos na melhoria do portfólio de produtos existentes. Isto significa que uma empresa deve concentrar a maior parte dos seus recursos para manter as inovações.

  • 20% Inovação Adjacente:

É útil pensar nos projectos de inovação como uma estratégia que necessita de diversidade para reduzir os riscos e alcançar um equilíbrio. É por isso que, juntamente com as atividades principais, as empresas começam a explorar novos mercados e capacidades.

No entanto, concentrar-se demasiado em oportunidades adjacentes pode ser mais arriscado do que concentrar-se em projectos de inovação fundamentais. Por conseguinte, a concentração neste tipo de inovação deve ocupar apenas cerca de 20% dos recursos.

Mesmo que a empresa decida apostar em novos mercados ou produtos, isso não significa que será uma novidade exclusiva, pois esses produtos e mercados geralmente já existem em algum lugar, mesmo que não façam parte do catálogo dessa empresa.

  • 10% Inovação disruptiva:

Para pensar no futuro e alcançar o próximo grande marco, as empresas inovadoras podem concentrar 10% de seus recursos no desenvolvimento de inovações e na criação de novos produtos para mercados que ainda não existem.

Isso significa considerar iniciativas de transformação que focam na criação de algo completamente novo. A inovação disruptiva pode muitas vezes ser definida como a introdução de uma nova tecnologia que cria uma nova indústria e transforma a forma como as coisas são feitas hoje.

Toda empresa precisa de ajustes

O modelo 70:20:10 é uma regra geral, não um modelo rígido. Não é necessário seguir rigorosamente a alocação exata de recursos para inovar. No entanto, é útil aplicar este modelo como um guia para gerir eficazmente os recursos de inovação.

 

De acordo com cada empresa, será necessário ajustar a proporção de acordo com o contexto prevalecente e a capacidade de risco. Além disso, cada empresa deverá ter em conta diferentes aspectos:

  • Talento:

A inovação central, adjacente e disruptiva exigirá competências e talentos diversos. Diferentes estudos mostram como algumas competências são melhor obtidas do exterior, enquanto outras são melhor desenvolvidas internamente para promover a inovação.

  • Integração:

A inovação central pode funcionar bem ao lado do negócio principal, enquanto as equipes de inovação disruptiva devem ser separadas do negócio principal.

  • Fundos:

Os custos de inovação básicos e adjacentes são aditivos, enquanto a inovação disruptiva pode exigir um investimento inicial específico.

  • Pipeline Management:

Os critérios para levar os projectos através do processo de inovação são diferentes. Enquanto os projetos de inovação incrementais e adjacentes são tratados mais ou menos no modelo linear, por exemplo, o modelo de estágio, a abordagem correta da inovação transformacional não pode ser linear, pois é difícil encontrar uma abordagem a um mercado ou a um produto que o faça que ainda não exista.

  • KPI:

Os indicadores-chave de desempenho devem apoiar os tipos de inovação que tendem a medir. Os KPIs usados para medir o sucesso da inovação central e adjacente podem não capturar os esforços de transformação ou mesmo fazê-los parecer fracassos.

Mais esforço significa mais lucro

De acordo com a pesquisa mais recente, as empresas que investem 70% de seus recursos em inovações essenciais, 20% em inovações adjacentes e 10% em inovações transformacionais geralmente superam seus pares e têm uma relação custo-benefício mais alta.

 

Para isso, gestores de inovação bem-sucedidos criam um portfólio equilibrado de oportunidades centrais, adjacentes e disruptivas e garantem que suas organizações apóiem uma alocação sustentável de recursos para inovar.

No entanto, este sucesso não reside apenas na organização interna da empresa, mas é acompanhado pela introdução de novas tecnologias, que fornecem os recursos necessários para extrair todos os lucros possíveis do modelo 70:20:10.

  • Realidade Virtual

Realidade Virtual (VR) é uma solução ideal para treinamento corporativo em manufatura, energia, defesa e outras indústrias. Com a RV, as pessoas podem praticar as suas competências até terem confiança nelas, e depois começar a trabalhar com confiança.

  • Realidade Aumentada

A Realidade Aumentada (RA) pode impulsionar o envolvimento dos colaboradores, bem como a realidade virtual. Mas comparado com o VR, é muito mais acessível. É por isso que a maioria das empresas ainda se concentra mais na RA.

  • Gamificação

Os jogos são realmente uma boa ferramenta para aprender e melhorar a formação. Eles apresentam um desafio a uma pessoa e fazem com que ela desenvolva suas habilidades. Por exemplo, ajuda a formar novos trabalhadores enquanto os mergulha na cultura interna da empresa.

  • Vídeos interativos

Outra forma de desenvolver o conhecimento tácito é através de vídeos que empregam um design de aprendizagem baseado em cenários. Esta abordagem de estudo fornece situações abertas para que os funcionários tomem decisões e reflitam sobre o processo.

  • Redes Sociais

As Redes Sociais, como ponto de partida para a comunicação entre trabalhadores, são muito interessantes para a inovação adjacente. Essas ferramentas permitem que os trabalhadores compartilhem seus diferentes pontos de vista e discutam o futuro de novos projetos.

  • eLearning

Esse tipo de aprendizado comparado ao treinamento liderado por instrutor é mais benéfico porque, no mínimo, economiza dinheiro da empresa, permitindo que ela personalize o processo de aprendizagem e aumente a moral do funcionário.

  • Aprendizagem móvel

Muitos funcionários acreditam que o treinamento não precisa ser interrompido após o horário comercial. Além disso, a maioria dos funcionários valoriza a capacidade de aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, portanto, o aprendizado móvel é benéfico tanto para as empresas quanto para os trabalhadores.

 

Independentemente das ferramentas usadas e da porcentagem atribuída a cada parte, o modelo 70:20:10 enfatiza que a aprendizagem é mais do que apenas treinamento tradicional. As empresas, independentemente do sector a que pertencem, beneficiarão quando houver uma boa combinação de fontes de aprendizagem.

Conclusões

Inovação é um dos piores termos usados no mundo corporativo, pois é usado com demasiada frequência para descrever um resultado ou ponto final: o lançamento de um novo produto, o desenvolvimento de uma nova peça de tecnologia. No entanto, a realidade é que a inovação não é uma coisa, mas sim o processo de descobrir algo que traz novo valor à vida das pessoas.

Perante esta situação, as empresas precisam de reimaginar a forma como operam: a forma como as equipas são estruturadas e como o investimento é alocado para criar um espaço que permita à inovação prosperar.

Parte disto é sobre a criação de mudanças culturais generalizadas e a incorporação de novas formas de trabalho, especialmente quando se tenta implementar um modelo de aprendizagem baseado em 70:20:10.

No entanto, graças à tecnologia moderna, a estrutura 70:20:10 pode ser mais flexível do que nunca. O melhor que cada empresa pode fazer é encontrar o equilíbrio ideal entre os recursos à sua disposição para melhorar o processo de aprendizagem.