A chegada da Blockchain e sua proposta de redes descentralizadas e democráticas, em que cada nó da rede não pode variar por si só o conteúdo alojado na cadeia de blocos sem o consenso do resto, é um claro compromisso com a descentralização das aplicações. Num sistema descentralizado, as decisões não são tomadas de cima para baixo, mas horizontalmente e através do consenso de todos os membros desse sistema.

É possível que um modelo descentralizado baseado em Blockchain possa ser aplicado à empresa? As empresas, instituições hierárquicas por excelência, poderiam renunciar a organizações baseadas no comando e no estabelecimento de níveis organizacionais? Isto é o que, em essência, propõem os proponentes das Decentralized Autonomous Organizations o DAOs.

O que é uma Decentralized Autonomous Organization?

Uma DAO é uma organização em que as relações entre os membros da organização não são baseadas em uma estrutura de governança tradicional, como em qualquer outra organização, mas o funcionamento da organização é baseado no consenso entre seus membros.

Para chegar a esse consenso, utiliza-se a Blockchain, que, como já sabemos, é uma rede de nós interconectados que não pode alterar o conteúdo da referida rede sem a aprovação de outros membros desta.

Assim, um DAO é configurado como uma organização horizontal em que os postos de comando são conspícuos por sua ausência, em que o governo da organização e sua coesão jurídica não é baseado em contratos de trabalho ou outros tipos de contratos, mas em conformidade com os estabelecidos em Smart Contracts que também são armazenados na rede Blockchain.

As DAOs são organizações de código aberto e, portanto, transparentes e, em teoria, incorruptíveis. Todas as transações da organização são registradas na rede Blockchain. As propostas dos membros são a forma como as decisões são tomadas, se forem votadas pela maioria dos membros da organização.

Assim, um DAO pode ser uma organização que vive na Internet autonomamente, contando com o papel de indivíduos especializados ou organizações menores que executam tarefas que não podem ser realizadas através da automação.

Em resumo, podemos afirmar que as principais características de um CAD são as seguintes:

  • O consenso dos membros para a tomada de decisões. Os direitos de voto numa DAO são adquiridos através da compra de fichas em rodadas de financiamento.
  • O uso de Smart Contracts, que registrarão as regras da organização e estabelecerão seu funcionamento.
  • Utilização de fichas como meio de recompensar a participação dos membros da DAO ou como meio de financiamento.
  • Baseado em códigos fonte abertos. Quando a sua programação estiver completa, o seu criador passa do suporte de código para mais um membro DAO. Além disso, sendo open source, qualquer um pode acessar a rede.
  • Blockchain é a tecnologia que torna tudo isso possível, criando organizações transparentes, imutáveis e incorruptíveis.

 

DAO

 

Com o advento do Ethereum e sua rede Blockchain, o conceito de CAD evoluiu de um tipo de organização baseada em Blockchain para um baseado em Smart Contracts, que facilitam a criação de CADs sem a necessidade de criar uma nova rede Blockchain.

Alguns exemplos de CADs

Pode-se dizer que o primeiro CAD foi a rede Bitcoin, já que foi a primeira organização baseada em uma rede descentralizada com operação autônoma. Na rede Bitcoin, a Blockchain garante a descentralização e a segurança da rede.

Outro exemplo, mais em linha com o que agora se entende por DAO, é o DAO, uma organização que propôs a criação de um fundo de investimento autónomo em que as decisões de investimento seriam tomadas pela maioria dos participantes na rede.

O DAO, lançado em 2016 em uma rede baseada no Ethereum, permitiu o acesso a qualquer pessoa em troca da compra de tokens por futuros membros. Tais fichas poderiam então ser vendidas ou transferidas para terceiros.

A ideia era que cada membro que tivesse uma ficha pudesse participar na tomada de decisões, embora a importância dos votos dos membros variasse em função do número de fichas que possuíssem.

No seu lançamento no mercado, a DAO angariou 150 milhões de dólares através da venda de fichas.

Desde o sucesso do DAO tem havido muitos desses projetos. Um exemplo é o Gitcoin, uma plataforma onde os desenvolvedores de software podem carregar seus próprios projetos open source.

A idéia por trás do GitCoin é ajudar a sustentabilidade de projetos open source, permitindo que os membros da rede recompensem os projetos que mais lhes interessam.

 

 

Outro exemplo de DAO é o MakerDAO, uma moeda estável na rede Ethereum cujo objectivo é minimizar a volatilidade do preço dos cryptodivisas em relação ao dólar. O crytodoux, chamado Dai, pode ser comprado por qualquer pessoa a qualquer momento. Maker através de um sistema chamado Dai Savings Rate permite que aqueles que têm Dais em suas carteiras para obter um pequeno retorno sobre o seu investimento.

O MakerDAO e outros fazem parte do que é chamado de #DeFi ou Finanças Descentralizadas, um movimento que promove a disrupção do setor financeiro na forma de fintech, mas sem organizações centralizadas e com projetos baseados em open source.

Rumo a uma mudança social?

Até agora, temos falado sobre a forma como algumas actividades económicas podem ser organizadas através das OPA, mas o seu possível âmbito de acção não se limita às organizações económicas.

Partindo de ideias como a descentralização, o consenso e a incorruptibilidade dos contratos inteligentes e da cadeia de bloqueio, os CAD poderiam ser aplicados noutros tipos de organizações.

Um exemplo são os governos. Vamos ver no futuro como é que alguns governos criam OPA para que seja a maioria dos cidadãos a decidir, quase neste momento, sobre questões importantes? Se assim fosse, alguns órgãos de representação política das democracias modernas, como os senados e congressos, perderiam parte dos seus poderes.

Naturalmente, nenhuma organização está isenta de ser descentralizada e se os CADs forem finalmente adotados em massa, as implicações sociais seriam realinhamento com os interesses do usuário da rede (no caso de um CAD corporativo do comprador dos tokens). No caso de um DAO governamental dos cidadãos), reduzir a fricção na tomada de decisões já que a Blockchain, o Ethereum e os contratos inteligentes permitem a aplicação automática das mudanças acordadas e o desaparecimento dos intermediários.

Conclusões

Graças à chegada do Blockchain e do Ethereum novas formas de organização são possíveis. A natureza descentralizada, baseada no consenso e na segurança destas redes, permite a criação de DOs, organizações em que as hierarquias são alteradas de estruturas piramidais para redes horizontais e democráticas.

As DAOs, organizações de código aberto às quais qualquer pessoa pode aderir, são apresentadas como uma alternativa aos modelos organizacionais tradicionais e as primeiras organizações deste tipo já estão operacionais.

A aplicação das DAOs ao setor financeiro deu origem ao chamado #DeFi ou financiamento descentralizado, um movimento disruptivo que busca oferecer serviços financeiros por meio de redes descentralizadas, acessíveis e transparentes.