A Internet das Coisas (IoT) é configurada como o próximo grande catalisador para aprimorar a transformação digital. Do setor industrial mais sofisticado ao varejo, bancário e de saúde, a Internet das Coisas (IoT) está revolucionando um mercado, cada vez mais inteligente, automatizando processos, conhecendo melhor os clientes, antecipando poupar recursos, entre milhares de oportunidades.

No entanto, enquanto a IoT traz muitos benefícios para as empresas que desejam permanecer competentes, ela também traz desafios, já que as soluções de IoT ainda são complexas e uma escassez de habilidades pode dificultar a aproveitá-la novas tecnologias.

Mas para ajudar a resolver esses desafios e simplificar a IoT, a Microsoft anunciou algumas novas tecnologias e soluções. Por exemplo, ele introduziu o Microsoft IoT central, uma nova oferta de software como serviço (SaaS) que reduz a complexidade de soluções de ioT, totalmente gerenciada para clientes e parceiros que permite cenários de IoT poderosos sem a necessidade de experiência em soluções de nuvem.

Microsoft IoT central

O Microsoft IoT central foi criado com base na nuvem do Azure líder do setor, e seu principal objetivo é simplificar o processo de desenvolvimento e facilitar e agilizar a implementação dessas soluções para os clientes, tornando a transformação digital mais acessível a todos.

Essa solução estará disponível ao lado do Azure IoT Suite, sua plataforma como serviço (PaaS) líder do setor, possibilitando maior personalização e controle total. E será lançado publicamente nos próximos meses.

Essa nova oferta de SaaS da IoT tem o potencial de aumentar drasticamente a velocidade com que os fabricantes podem inovar e trazer novos produtos ao mercado, além de reduzir as barreiras à criação de soluções de IoT que geram novas oportunidades de receita e melhores experiências do cliente.

Outras soluções de IoT

A Microsoft tem muitas ofertas de ioT para atender às necessidades das organizações que tomaram o passo na adoção da Internet das Coisas. De sistemas operacionais para seus dispositivos a serviços de nuvem para controlá-los, ou análises avançadas para conclusões e aplicativos de negócios que permitem a tomada de decisão mais inteligente.

Uma dessas oferenda é o Microsoft Azure IoT Suite, que é para clientes e parceiros com experiência em soluções de nuvem, e em que a Microsoft continua a investir, pois também anunciou a introdução de uma nova solução pré-configurada no Azure IoT Suite, chamada ” Azure IoT Suite: Connected Factory “.

Essa nova solução facilita a conexão de dispositivos OPC UA e OPC Classic no local à nuvem da Microsoft e a obter ideias para ajudar a impulsionar a eficiência operacional. Além disso, permite que os clientes visualizem e configurem dispositivos de fábrica a partir da nuvem.

Nesse sentido, a Microsoft fez uma parceria com vários líderes do setor em ecossistemas OPC UA que construíram soluções de gateway com conectividade integrada do Azure e estão se aproximando de zero-config. Esses parceiros incluem Unified Automation, Softing e Hewlett Packard Enterprise.

Por sua vez, a Microsoft anunciou um novo serviço: o Azure Time Series insights, um serviço de análise, armazenamento e visualização totalmente gerenciado que facilita a exploração e a análise interativa e eficiente de bilhões de eventos de seus Soluções de IoT. O Azure Time Series insights fornece uma visualização global de dados em várias origens de eventos para que as empresas possam validar rapidamente suas soluções de IoT e evitar o tempo de inatividade do dispositivo.

O Microsoft IoT central e a solução pré-configurada do Azure IoT Suite Connected já fazem uso do novo serviço do Azure Time Series insights.

A importância da IoT em números

A importância da Internet das Coisas é demonstrada pelos números:

  • Em 2016, o investimento mundial em hardware, software, serviços e conectividade relacionados à Internet das Coisas atingiu US$ 737 bilhões. 17,9% mais do que no ano anterior.
  • De acordo com a IDC, a IoT gerará uma despesa de 13.500 milhões de euros em Espanha durante 2017.
  • Por 2020, a IDC estima que a despesa será de 23.000 milhões de euros dos 1,2 triliões de euros esperados globalmente.

Desta forma, estes números são esperados para aumentar ao longo dos anos, embora ele está indo muito lentamente. De acordo com a análise de estratégia, “a IoT certamente oferece economias de custo significativas, maior eficiência, tempo de inatividade reduzido, Cadeia de suprimentos aprimorada e novas oportunidades de negócios. No entanto, o valor de mercado das soluções de IoT aumentou drasticamente”

De acordo com esta consultoria, as despesas globais de ti foram de US$ 3,3 trilhões em 2015 e atingirão US$ 4,8 trilhões em 2025. Dos 3,3 triliões em 2015, 3,8% ou 120 mil milhões correspondiam à Internet das Coisas.  Em 2025, a IoT representará 7,1% das despesas de TI, ou US$ 300 bilhões.

Como você pode ver o mercado de IoT ainda teria que amadurecer, de acordo com a Strategy Analytics. E para conseguir isso, você teria que deixar para trás os projetos iniciais e as fases de teste, e você teria que conectar mais e mais dispositivos.

De acordo com o estudo Strategy Analytics, mais de 70% das implantações de IoT que foram feitas nos Estados Unidos parecem funcionar com menos de 500 dispositivos. Em todo o mundo, não vai além dos 100 dispositivos em 35% das empresas que já apostam na IoT.

Hajime: a nova ameaça da IoT

Além de ainda ter que amadurecer, a IoT tem algumas barreiras para superar e ainda retardar sua implantação massiva, entre elas estão a relação com os sistemas legados, a falta de habilidades de Big data, e a mais importante e mais preocupante é a segurança.

O advento da IoT tem muitos aspectos positivos, mas também resulta no surgimento de desafios de segurança significativos, já que qualquer risco em um único ponto pode comprometer toda a rede.

“A rapidez do surgimento de dispositivos IoT, juntamente com um processo de produção que visa manter baixos custos, é um fator adicional para o problema de segurança”, diz Antonio López, especialista em segurança cibernética da Incibe.

Isso, juntamente com a conectividade de bilhões de dispositivos, pode ter conseqüências muito perigosas se as medidas necessárias e precauções não são tomadas.

Uma dessas conseqüências mais comuns é o ataque visando dispositivos conectados, e um exemplo recente disso é um malware chamado Hajime, que atua contra dispositivos conectados, como roteadores, webcams ou câmeras de vídeo digitais.

No momento em que a lista de dispositivos afetados por este malware é bastante longo, e continua a crescer desde quase 300.000 já foram infectados, de acordo com uma investigação da Kaspersky Lab.

Hajime, que significa “princípio” em Japonês, mostrou seus primeiros sinais de atividade em outubro de 2016, e desde então, evoluiu e desenvolveu novas técnicas de propagação. Da Kaspersky Lab avisar que o malware está construindo um enorme botnet peer-to-peer, ou seja, um grupo descentralizado de máquinas comprometidas que discretamente executam spam ou ataques DDoS.

“A coisa mais intrigante do Hajime é o seu propósito”, diz Konstantin Zykov, pesquisador de segurança sênior da Kaspersky Lab, acrescentando que “enquanto a botnet está ficando maior, seu alvo permanece desconhecido”.

Deve-se notar que a maior proporção de dispositivos comprometidos pelo Hajime estão no Irã, Vietnã e Brasil, e o foco de infecções também vem das mesmas regiões, de acordo com a Kaspersky Lab: Vietnã (mais de 20%), Taiwan (quase 13%) e Brasil (cerca de 9%) no momento em que foi investigado.