Hoje, a IoT é um termo descritivo que engloba a visão de que todos os dispositivos devem ser conectados à Internet. Até agora, os aplicativos de IoT têm sido amplamente utilizados em vários campos da vida social, como saúde e produtos sociais, automação industrial e energia.

Neste cenário, há atualmente mais de 15 bilhões dispositivos digitais e eletrônicos interligados em operação em todo o mundo, o equivalente a quase dois dispositivos para cada ser humano na terra. Por 2020, espera-se que o número de dispositivos atinja 20 bilhões globalmente, equivalente a um mercado com valor de US$ 15 trilhões.

Além disso, a vasta proliferação de conexões ao longo dos próximos quatro anos também anuncia um aumento maciço na geração e consumo de dados. Já, o tráfego global do Internet Protocol (IP) alcançou 122 exabytes por o mês e alcançará 396 exabytes por o mês, ou 4,8 zettabytes por o ano, por 2022.

Aumenta a produtividade

IoT é um grande negócio, por isso não deve vir como uma surpresa que 70% das empresas estão atualmente considerando integrar IoT em seus sistemas. A capacidade de ter controle direto e isolar problemas, bem como aumentar a produtividade e reduzir custos, são benefícios notáveis de integrar a Internet das coisas em empresas.

Por exemplo, no setor de manufatura, o valor da IoT chegará a 3,88 bilhões de dólares nos próximos 10 anos. Porque a maior parte do valor vem de melhorias de eficiência e redução de resíduos.

A importância das pessoas

Que a implantação de dispositivos IoT oferece uma série de benefícios é óbvio, no entanto, no mundo de hoje de conectividade, algoritmos e análise de dados, é fácil perder de vista o método crucial para entender o que os clientes precisam.

Isso significa que o objetivo final da IoT precisa ser repensado, aplicando o conhecimento humano para entender a melhor forma de construir produtos significativos. Portanto, essa abordagem coloca o design e o desenvolvimento do produto no caminho certo para a criação dos melhores dispositivos de IoT.

É importante obter um bom valor, observando os consumidores interagem com a tecnologia, aprendendo com o que eles adotam e ignoram, aprendendo com seu comportamento – incluindo seus erros ou seus próprios.

Análise do comportamento do cliente, incluindo suas preferências, desejos e necessidades de aprendizado, e deve ser indispensável para definir e desenvolver novas soluções de IoT em qualquer setor.

Esta abordagem para o cliente está levando a uma mudança revolucionária, conhecida como a Internet das pessoas (IoP).

Fonte: vector, a partir de dados próprios
Fonte: vector, a partir de dados próprios

O resultado do IoP é um ecossistema de IoT mais humano e menos dependente de ações tecnológicas. Dependendo do setor, a implementação deste novo quadro variará.

  • Fabricação e equipamentos industriais:

Conectado através de uma presença global, as instalações industriais de hoje da IoP possibilitam mudanças de design e produção em várias instalações, já que elas se encaixam rapidamente nas necessidades do cliente.

As informações de tomada de decisão estendem-se da Suite C aos trabalhadores da cadeia. Usando algoritmos que analisam dados coletados, ele emite alertas e pode questionar se as ações corretivas para um problema são as melhores ou não.

  • Segurança pública:

Dispositivos conectados que não só permitem a comunicação direta entre cidadãos e pessoal de segurança, mas também abrangem informações digitais. Por exemplo, durante um desastre ou quando um trabalhador está em risco, a ajuda pode ser enviada imediatamente, para o lugar certo, protegendo as pessoas.

  • Deus o abençoe:

Os dispositivos de IoP para o setor de saúde permitem que os profissionais de saúde monitorem remotamente a atividade, o uso de drogas e os sinais vitais do paciente. Essa conectividade e a troca de mídia digital permitem uma assistência participativa e preventiva melhorada e mais personalizada para o indivíduo, um grupo ou a população em geral.

Independentemente do setor ao qual se destinam, essas soluções são projetadas para as necessidades humanas, desde a concepção até a realização. O design centrado no homem une a tecnologia à visão humana, conectando a parte mais tecnológica aos comportamentos e necessidades humanas.

Fonte: vector, a partir de dados próprios
Fonte: vector, a partir de dados próprios

Conectar a ciência de dados com a ciência comportamental acelera a velocidade da inovação e melhora o impacto econômico.

Conclusões

Muitos sistemas de IoT têm seus próprios protocolos de comunicação e formas de conexão, no entanto, eles geralmente ignoram a interação com as pessoas. E, nessa situação, é que a Internet das pessoas constrói interações mais semelhantes às interações humanas, previsíveis, pró-ativas e sociais entre pessoas e dispositivos.

O termo “Internet das pessoas” tem sido usado antes, geralmente para se referir a sistemas web tradicionais projetados apenas para os seres humanos a usar. Mas não foi tão longe, que o conceito é redefinido com o objetivo de explorar todos os seus lucros.

As ferramentas de IoP, que atendem às quatro características mais importantes (social, personalização, pró-ativa e previsível) permitem que você construa aplicativos para monitorar o contexto do usuário e, em seguida, com base no contexto definido, proativamente acionar interações entre os usuários e os dispositivos envolvidos.