A indústria das TIC está a mudar rapidamente e o mercado está a tornar-se mais competitivo todos os dias. Diante disso, as soluções de nuvem e os serviços pay-as-you-go estão ganhando popularidade, adaptando-se melhor às novas necessidades de negócios.

Grandes empresas como a IBM ou a Huawei estão desenvolvendo suas soluções de Cloud Computing, no entanto, ainda há alguma relutância por parte das empresas na aquisição desses serviços.

Por 2020, 95% das empresas irão trabalhar com Cloud Computing

Não há dúvida de que o mercado está a tornar-se mais competitivo e, em especial, o sector das TIC sofreu uma grande transformação nos últimos anos. Além disso, com a expansão da tecnologia para todos os tipos de campos, os antigos modelos de negócios baseados em licença de software estão se tornando obsoletos, impulsionando a computação em nuvem e pay-as-you-go.

O uso de ferramentas de controle de processos e monitoramento de atividades de negócios melhor gestão torna-se completamente necessário para sobreviver à concorrência. Neste contexto, a nuvem e o pay-as-you-go continuaram a crescer, especialmente em 2015, com um aumento de 40% no número total, de acordo com o Synergy Research Group. Além disso, estima-se que, por 2020, 95% das empresas atuarão essa modalidade.

Fernando Rumbero, diretor de SaaS Application Sales da Oracle Ibérica, afirma que “pay-as-you-go está ganhando terreno de forma vertiginosa nos últimos anos e nossos números mostram isso. No caso específico de SaaS, a empresa viu sua receita de assinatura crescer em 68%, totalizando 3,4 bilhões de dólares.. Ao adicionar PaaS e IaaS, o pool de assinaturas de nuvem cresceu 60% para US$ 4,6 bilhões na receita anual.”

Além disso, apresenta um alto nível de segurança e disponibilidade graças ao seu suporte diário e atualizações imediatas, o nível de segurança e atualizações de disponibilidade são imediatos e o suporte está sempre atualizado, permitindo que a empresa se concentre toda a sua atenção no negócio, aumentando a disponibilidade e com altos níveis de segurança de dados, o chefe da Oracle Ibérica aponta.

Lorena Perochon, gerente de SaaS da IBM Espanha, Portugal, Grécia e Israel, concorda com o diagnóstico. “Estamos cientes de que a forma como a tecnologia é consumida mudou e são os clientes finais que exigem novos formatos que lhes permitam aceder a soluções inovadoras. O crescimento do modelo SaaS é uma prioridade para nós e vivemos em bons momentos para as empresas que querem ir longe em sua transformação digital, como eles devem tomar decisões estratégicas sobre três áreas-chave de sua arquitetura tecnológica: plataforma de dados, plataforma de inteligência artificial e plataforma de nuvem, onde toda a nossa proposta de SaaS reside.”

Perochon argumenta que este novo modelo oferece uma série de benefícios para as empresas que pagam por tais serviços, uma vez que, entre outras coisas, envolvem menos investimento inicial, o que reduz o risco e barreiras à entrada.

Além disso, Perochon acredita que “eles são todas as vantagens, tanto para o cliente final e para os nossos parceiros de negócios, porque o antigo modelo de licenciamento não permitiu a flexibilidade e evolução tecnológica proporcionada por um modelo de SaaS”.

Além disso, Rumbero enfatiza que as empresas bem-vindos pagando apenas pelo que eles usam. É uma mudança de conceito que tem sido bem aceito pelas organizações, que olham mais livres para escolher as aplicações ou fornecedor que melhor se adapte às suas necessidades.

Hoje há resistência à venda de nuvens

Entretanto, adaptar-se às mudanças não foi uma tarefa fácil. “É tomado tempo, como todas as grandes transições tecnológicas. As grandes mudanças significam pensar diferentemente, reorganizando internamente e superando barreiras culturais, mas certamente valeu a pena. De uma forma progressiva e imparável, a tecnologia está impulsionando novos modelos de negócios, que quebram os limites setoriais e trazem novos concorrentes e novos serviços para emergir com novas vantagens. No futuro próximo veremos como mais e mais empresas incorporam este tipo de aplicações para suas inúmeras vantagens, tanto para eles e para o usuário final”, observa Perochon.

Na verdade, hoje há uma resistência à venda de nuvens, de acordo com um estudo da Context World, em que mais de 6000 revendedores europeus participaram, o que, entre eles, há uma alta porcentagem que não mostram interesse em vender nuvem.

Cerca de um terço dos distribuidores europeus, com o Reino Unido sendo o mais notável, não estão interessados em vender nuvem. Entre esses, a solução mais popular é o backup em nuvem, especialmente no Reino Unido e na Alemanha, graças à segurança que ele mostra. A seguir, este é o armazenamento em nuvem, que está mais interessado na França e na Alemanha.

Mas por que esse desinteresse? De acordo com o estudo, eles não estão vendo a demanda do cliente em primeiro lugar, e isso é adicionado a perguntas sobre segurança e complexidade.

Nesse cenário, uma empresa antes de comercializar uma oferta de nuvem tem que considerar se ele está realmente pronto para fazê-lo. Para isso, a empresa precisa criar e proteger sua propriedade intelectual, para que ela cresça lucratividade, processe a demanda de forma eficiente, tenha o equipamento certo, formando-o e acompanhando-o durante toda a transição para a computação em nuvem, aumente a fidelização do cliente ao gerir o seu ciclo de vida.

Exemplos de sucesso apesar das dificuldades é o Salesforce, com os clientes bem cientes dos benefícios desde que o modelo pay-as-you-go chegou. Embora quando se trata de implementar uma nova tecnologia, a resistência à mudança é rara em primeira instância, em 2010 quase todos (94%) dos clientes pesquisados foram satisfeitos.

Como resultado, há modificações internas nos fornecedores de software: “nossa força de vendas está evoluindo logicamente, à medida que nos movemos de um modelo de vendas de produtos para um modelo de serviço. Portanto, temos que interpretar de forma diferente todas as interações com os clientes, iniciando no processo de informação, antes que o cliente faça uma decisão de compra, até o serviço pós-venda. Uma das missões de nossos funcionários neste novo ambiente é acompanhar nossos clientes para tirar o máximo de suas assinaturas de nuvem. Nesse sentido, estamos muito mais próximos dos departamentos de negócios, pois precisamos entender claramente quais são suas necessidades e prioridades para fornecer as soluções mais apropriadas”, diz o gerente da Oracle Iberica.

As empresas estão relutantes em usar este serviço de negócios

A PHC software, uma empresa focada em software de gestão de negócios, concorda que o mercado de nuvem não está atualmente totalmente desenvolvido.

“Já temos alguns clientes que estão fazendo isso, mas isso é apenas começar. As empresas estão começando a se interessar, mas eles estão relutantes em trazer a gestão de negócios para a nuvem. Embora a nuvem seja o futuro, ainda há incerteza.” Hugo Ferreira, diretor de negócios internacionais, disse.

Além disso, eles estão procurando por 10 novos parceiros que podem trazer valor ao seu canal, com modelos diferenciadores ao implementar suas soluções. A empresa, com um volume de negócios de 10,4 milhões euros, está a tentar entrar em empresas de menor porte, mesmo que até agora o seu portfolio tem sido destinado a médio-grande empresa.

Especificamente, a PHC software oferece o drive FX, pronto para levar para a nuvem privada. As soluções da empresa reúnem 14.000 clientes de 30.000 empresas.

Graças a este modelo, a PHC software revitalizou sua proposta no início deste ano com um novo visual. “Procuramos unificar todas as nossas marcas e adaptar a imagem ao nosso posicionamento para apoiar as empresas a alcançarem a excelência”, enfatiza Hugo Ferreira. “Um recrutamento que vai pagar a médio prazo, porque é um trabalho de treinamento que precisa de tempo.”

IBM concentra-se em soluções de nuvem

A IBM, por sua parte, nos últimos quatro anos tem tentado modificar seu ecossistema. Assim, a estratégia de negócios foi alterada para um muito mais inovador. Como resultado, os provedores de serviços de nuvem (CSPs) da empresa passaram de gerar 9,8 milhões euros para 20,1 milhões euros em Espanha, de 100 a 800 CSPs.

Além disso, foram feitas melhorias em diferentes áreas do programa IBM Business Partners, a fim de acelerar o ecossistema e dar grande flexibilidade aos parceiros da empresa, para que pudessem desenvolver diferentes modelos de negócios.

A IBM se concentra em fornecedores de software independentes (ISVs), oferecendo a validação Ready for IBM Cloud, para poder suas soluções de nuvem na plataforma Bluemix.

Outra parte deste programa é o desenvolvimento de soluções integradas, graças à apresentação do modelo de contrato de soluções incorporadas. Com ele, os parceiros de negócios podem acessar e mesclar produtos e serviços da IBM com seus produtos e serviços de uma forma que incentive rapidamente a criação de soluções inovadoras a preços mais competitivos.

Também houve uma melhoria nos incentivos, recompensando cada parceiro com base no tipo de soluções e oportunidades que gera, sua área ou marketing autônomo.

Além disso, graças IBM para IBM Express Start inclina-se para a distribuição simplificada do produto. Assim, a empresa simplificou o processo de autorização para novos parceiros de negócios.

Huawei mostra sua notícia da indústria

Recentemente, o Huawei Connect foi realizada, o evento onde a empresa mostra seus novos produtos de hardware, software, dados, conexão, arquitetura, computação em nuvem… Destacando o último, a empresa anunciou sua mais recente solução para o desenvolvimento digital de empresas.

Joy Huang, vice-presidente da linha de produtos de ti da Huawei, disse que “a Huawei Cloud está comprometida em promover um mundo inteligente através de inovações contínuas em tecnologia e capacidades na Huawei Cloud para que seus clientes não tenham problemas em sua transformação digital.”

Para começar, ele mostrou Huawei Cloud, que se funde com serviços de plataforma, usa inteligência artificial (AI) em atividades como marcação de imagem, reconstrução gráfica, auditorias, reconhecimento óptico de caracteres (OCR), embalagem Inteligente…

Também incluiu serviços de banco de dados distribuídos na plataforma, incluindo o banco de dados corporativo distribuído da lei de processamento de transações online (OLTP), o OLAP (processamento analítico online) LibrA Distributed Enterprise Data Store , e o banco de dados distribuído Taurus do mySQL. Além disso, integra-se com a Huawei Devcloud, o software da empresa que permite ferramentas, serviços e capacidades de processamento na Huawei Cloud.

Ele também introduziu o Atlas, o hardware inteligente de nuvem de próxima geração. A plataforma, baseada nos servidores da Huawei, a FusionServer G-Series – que concentra recursos como GPU, HDD e SDD usando tecnologias como agrupamento de recursos heterogêneo e orquestração inteligente – é voltada para a nuvem pública Inteligência artificial (ia) e computação de alto desempenho (HPC). Além disso, com o FusionServer G-Series, os recursos de hardware são fornecidos demanda para que você possa atender a essas necessidades que têm modelos de serviço específicos.

Outro produto de destaque é o Huawei Cloud Internet of Things, uma plataforma completa que inclui gerenciamento de cartão SIM, permitindo que aplicativos com recursos de conexão segura, ecossistema intersetorial e integração de gerenciamento de dispositivos .

A solução de computação em nuvem híbrida mostrada foi a fusionBridge, com uma arquitetura de injeção em cascata – usada para implantar a nuvem homogênea ou heterogênea – e baseada na plataforma Cloud OpenStack.

Quanto à nuvem pública, a Huawei introduziu o FusionCloud Stack, voltado para centros de dados corporativos. Essa solução a empresa tenta ter uma experiência de usuário consistente, com zero manutenção local, baixa latência e alto controle de dados, para que a segurança seja concluída.

Finalmente, a solução FusionBridge é a novidade que a Huawei projetou para a nuvem híbrida. Essa solução se baseia na plataforma OpenStack Cloud e apresenta uma arquitetura em cascata de injeção que é usada para implantar uma nuvem híbrida homogênea ou heterogênea.