O lançamento de dispositivos inteligentes e interativos com capacidades de voz do Google e da Amazon, juntamente com o costume enraizado pelo consumidor de usar a voz com seus dispositivos móveis, aumentou significativamente a adoção de assistentes de voz. De acordo com um estudo de Voicebot, nos Estados Unidos um em cada quatro adultos tem um assistente de voz em sua posse, e este número é esperado para crescer por 30% até o final de 2018.

Os consumidores estão se conectando ao novo ecossistema habilitado para voz, e as marcas têm a oportunidade de abordá-las. Um exemplo disso é o setor financeiro, onde estamos constantemente lutando pela rentabilidade e melhoria na experiência do cliente, os assistentes de voz permitem que as empresas gerenciem esses requisitos agindo como um único ponto de contato. As empresas de serviços financeiros podem integrar dados e informações de uma variedade de fontes, criar produtos e serviços personalizados e apresentá-los a clientes por meio de um único dispositivo — seu assistente de voz. No ecossistema de dispositivos inteligentes habilitados para voz, uma estratégia abrangente de assistente de voz é crítica.

As diferentes fases

A introdução de assistentes virtuais na vida cotidiana foi dividida em duas fases. O primeiro, a era do smartphone, embora agora possa ser considerado um estágio completo, isso foi caracterizado principalmente por ser dominado pelo assistente virtual da Apple da SIRI, embora mais tarde eles se juntaram à Alexa da Amazon e do Google Assistant. Eles se destacaram por oferecer informações básicas, que logo foi seguido por outros serviços de comunicação, entretenimento e ferramentas.

A segunda fase, que estamos agora, é caracterizada por dispositivos que vão além da troca de palavras através de um alto-falante inteligente. Smartwatches, óculos inteligentes, dispositivos IoT e muitos mais exemplos mostram a determinação dos fabricantes de trazer interatividade de voz para seus dispositivos.

A primeira fase introduziu os consumidores à idéia de usar a voz para executar tarefas. A segunda fase é tornar a voz um modo de interação generalizada que tem mais recursos e é usado com mais freqüência em mais dispositivos e contextos.

A voz é mais prevalente em smartphones do que em outros dispositivos

Alto-falantes inteligentes podem ter conduzido a recente popularização da voz, no entanto, 58,2% pessoas ainda usam os assistentes de voz de seus smartphones.

O número de adultos que usaram assistentes de voz implantados em smartphones atinge 146,6 milhões em comparação com os 50 milhões milhões que foram decididos por alto-falantes inteligentes.

No entanto, os dados também confirmam que os proprietários de alto-falante inteligente são mais ativos em uma base diária do que os usuários que usam assistentes de voz do smartphone.

  • Siri lidera a adoção:

iOS e Android têm uma quota de mercado semelhante nos Estados Unidos, que pode surpreendê-lo no exterior, onde mais de 85% do mercado leva Android. No entanto, a Apple sempre foi forte nos EUA, apesar de (ou talvez por causa de) o seu rigoroso controle sobre o produto e seu alto preço.

Quando se trata de assistentes de voz em smartphones, Siri está à frente do resto, apesar da opinião dos críticos que não acreditam que o desempenho da Siri é superior ao assistente do Google.

Tanto a Apple quanto o Google dizem que seus assistentes de voz estão disponíveis em mais de 500 milhões dispositivos, principalmente smartphones. No entanto, a Apple alega que a Siri foi usada nesses dispositivos 500 milhões, enquanto o Google está focado em usar o termo “disponível”.

Possuir um smartphone não se torna automaticamente usuários do assistente de voz implantado em seu telefone. Nos Estados Unidos, entre 20-30% de todos os smartphones vendidos pertencem à Samsung, no entanto, isso não se traduziu em uma figura significativa para o seu assistente de voz. Apenas 4% dos adultos americanos dizem que interagiram com Bixby. Comparado com o 4% que Cortana usou ou o 17% que foi escolhido pela Alexa, nenhum dos quais têm um smartphone no mercado.

  • Três em cada cinco consumidores utilizam assistentes de voz com pelo menos um mês de base:

Quase todos os proprietários de smartphones (96,5%) afirmam ter tentado pelo menos o assistente de voz embutido em seus dispositivos móveis. Deve-se notar que o 61,5% fez uso do assistente de voz em uma base mensal e que um em cada quatro consumidores usa um assistente de voz em seu smartphone diariamente.

Dado esses números, é difícil ver a interação de voz como predominantemente em outros dispositivos, como alto-falantes inteligentes, uma vez que, o uso generalizado de voz pelo consumidor começou em smartphones e hoje é usado por um grande a maioria dos usuários regularmente.

  • As perguntas diárias destacam-se do entretenimento:

Os usuários relatam que as tarefas de pesquisa de visão geral são classificadas antes do entretenimento quando se trata de usar o assistente de voz em smartphones. Mais de 50% aproveita a busca por voz a cada mês.

Os próximos dois hábitos mensais mais comuns incluem encontrar um endereço e localizar um restaurante, ambos os quais se destacam por serem realizados enquanto o usuário está em movimento.

Entretanto, é surpreendente aos peritos que a busca do produto está no terceiro lugar antes das outras opções Entertainment-focalizadas.

  • Comunicações e alertas levam a categoria de produtividade:

Quando se trata de tarefas mais produtivas, o uso do assistente de voz para iniciar as comunicações é o mais comum. Dois terços dos consumidores usaram um assistente de voz para iniciar um telefonema. Além disso, quase 40% enviaram mensagens de texto por voz.

Seguindo esta linha, encontramos a categoria de alerta, onde cerca de 31% dos consumidores relataram o uso de voz para configurar ambos os alarmes e temporizadores.

Os dois casos de uso a seguir na classificação envolvem a navegação do dispositivo, por pouco mais de 20% dos consumidores, que usam a voz para abrir um aplicativo ou revisar seu calendário.

Finalmente, existem as categorias de controle transacional, onde os 12% dos usuários usam seu dispositivo móvel para controlar regularmente dispositivos domésticos inteligentes e quase 11% para realizar transações bancárias.

O uso mais comum de voz em smartphones ocorre enquanto os consumidores estão dirigindo. Com um 62%, a condução supera o relaxamento em casa (38%) e as tarefas domésticas (26%) por uma grande margem.

Quatro dos primeiros cinco usos de assistentes de voz ocorrem em situações em que o usuário está realizando atividades onde os olhos, mãos ou ambos são usados. A voz permite que os usuários interajam com seu dispositivo em um momento em que seria inconveniente ou imprudente usar o toque. No entanto, é interessante que a segunda situação mais comum é relaxar em casa quando a voz é uma mera conveniência, em vez de uma necessidade.

Todos esses dados mostram que os consumidores veem assistentes de voz em smartphones como um dispositivo útil, em primeiro lugar. Uma vez que as tarefas executadas podem ser facilmente executadas da forma mais tradicional através do toque, no entanto, o uso de voz no caso de smartphones está mudando para o toque.

Esses números contrastam com os de alto-falantes inteligentes, onde entretenimento e controles transacionais são os principais drivers de uso. Ele pode ser um reflexo do contexto no qual a voz é usada nesses dispositivos, representando áreas onde o uso pode crescer.

Alto-falantes inteligentes não caem para trás

Apesar da popularidade dos assistentes de voz do smartphone, alto-falantes inteligentes continuaram seu crescimento constante durante 2018. Por exemplo, este aumento significa que 22,9% da população adulta dos EUA tem tal dispositivo, com base em mais de 252 milhões habitantes.

  • Amazon lidera, porém, o Google e a Apple continuam crescendo:

Amazon ECHO continua a liderar a participação no mercado de alto-falante inteligente com 64,6%, enquanto o Google alcançou uma participação significativa desde 2017, atingindo 19,6%, seguido pela Apple, que estreou em maio de 2018 e que alcançou 4,5%. Esta entrada “forte” é principalmente devido à Apple liderando o segmento de alto-falante inteligente Premium.

O resto do mercado é agrupado na “outra” categoria com um 11,3% de todos os usuários de alto-falante inteligente. Esta categoria é atualmente liderada por marcas como Sonos, JBL e Harman Kardon. Foi recentemente expandido para incluir Bose, Bang & Olufsen e uma variedade de outros dispositivos que adicionam recursos de alto-falante. Essas marcas acabaram de chegar no mercado e seu impacto não será mensurável até o final do ano.

Dito isso, Alexa e Google Assistant estão compartilhando aproximadamente 95% no mercado com siri. Então você poderia falar sobre duopólio.

  • 79% dos proprietários de alto-falantes inteligentes usá-los mensalmente:

Quando surgem novas tecnologias, há sempre a questão de saber se será uma moda ou se terão poder de permanência. No caso de alto-falantes inteligentes, parece claro que sua permanência será longa. Uma vez que, mais de 79% de usuários relatam usando os dispositivos mensais e 45,5% usa-los diariamente. Curiosamente, o 6,7% alega nunca ter usado tais dispositivos.

O número de altofalantes espertos aumentou agudamente entre Janeiro e setembro que levanta-se de 1,8 a 2,2 dispositivos por o agregado familiar. Essa mudança significa que quase metade dos proprietários de alto-falantes inteligentes dos EUA. têm dispositivos em vários quartos dentro de sua casa.

Uma outra razão que os altofalantes espertos são esperados não ser um FAD de passagem são refletidos em vendas adicionais, porque quando os usuários adotam um dispositivo, adicionam tipicamente pontos de acesso adicionais para fazer a voz disponível em mais quartos. Além disso, o baixo preço de alto-falantes inteligentes torna essa expansão fácil de executar.

Quem usa mais assistentes de voz?

Desde o início, os adultos têm sido nomeados como os principais usuários de assistentes de voz, no entanto, o conceito de “adulto” abrange várias gerações. De acordo com o relatório de Suvey de comércio conversacional da Capgemini nos Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha, 50,7% consumidores disseram que usaram assistentes de voz.

Os dados da pesquisa indicam que a geração Y (também conhecida como Millennials) são os principais usuários da tecnologia de voz. Aproximadamente geração Y 74 usa assistentes de voz como um novo meio de negociação para funções como a busca de informações e compras.

Além disso, como os clientes da geração Y entusiasticamente abraçam os novos recursos que surgem, espera-se que em breve seja um dos segmentos mais rentáveis. Tornando-se uma ferramenta útil para direcionar este segmento.

Nos Estados Unidos, juntamente com a geração Y (89,1%), geração X (68,4%) e baby boomers (49,3%) foram os segmentos mais rentáveis, impulsionando a adoção em massa de assistentes de voz.

Os clientes com maior poder aquisitivo mostraram maior adoção (67,6%), no entanto, um aumento nas opções de baixo custo significou que os clientes com menos poder aquisitivo (45,9%) também são elegíveis para comprar um alto-falante inteligente.

Claramente, os consumidores digitais em toda a placa têm um forte interesse em dispositivos ativados por voz. A facilidade, a intimidade e a acessibilidade dos assistentes de voz fazem o seu caminho para cada casa.

Conclusões

Nos últimos anos, testemunhamos a rápida adoção de assistentes de voz em todo o mundo. Não só no nível empresarial, mas também no nível privado. Como resultado, as interações entre usuários e assistentes de voz estão crescendo.

Os altifalantes inteligentes aumentaram as suas vendas, no entanto, os assistentes de voz incorporados em smartphones permanecem os mais utilizados em todo o mundo. É interessante para as empresas que estão interessadas em fornecer comunicação direta com seus clientes, que levam essa tecnologia em conta.

É de vital importância que as empresas considerem uma estratégia abrangente, na qual identificam casos de uso impactantes usando a voz como um canal e começam a conectar suas ofertas.

A estratégia de voz deve fazer parte da estratégia digital global das empresas, em vez de uma estratégia única e independente. A experiência dos assistentes de voz deve ser integrada na jornada geral do cliente, pois o cliente será direcionado para a empresa através de diferentes canais de acordo com suas preferências.

Para as instituições financeiras, eles devem se certificar de incluir este canal de voz em sua estratégia global omnichannel e dirigir conversas personalizadas. Eles precisarão de novos recursos para trazer uma estratégia de experiência do cliente unificada através de canais digitais, tecendo canais de voz com canais gerais.